quarta-feira, 15 de agosto de 2012

8ª SÉRIE - ORAÇÃO SUBORDINADA ADVERBIAL


ORAÇÃO SUBORDINADA ADVERBIAL

As orações subordinadas adverbiais são aquelas que funcionam como adjunto adverbial de outras orações. Essas orações vêm introduzidas por uma conjunção subordinativa.

CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS ADVERBIAIS
CA LU CO5                                                    FIN PRO TEM MO
CA=> CAUSAL                                                                                                  FIN=> FINAL     
LU=> LOCATIVA                                                                                              PRO=> PROPORCIONAL
CO5                                                                                                                     TEM=> TEMPORAL
·         CONDICIONAL                                                                                 MO=> MODAL
·         CONFORMATIVA
·         COMPARATIVA
·         CONSECUTIVA
·         CONCESSIVA

ORAÇÕES SUBORDINADAS ADVERBIAIS CAUSAIS
Enuncia a causa, o motivo de ocorrência do fato da oração principal.
Conjunções causais: porque, como, uma vez que, já que, visto que, desde que.
Exemplos:
Não foi ao baile porque não tinha dinheiro.
Como estava tarde não pude esperá-lo.

OBSERVAÇÂO:
Diferença entre adverbiais causais e coordenadas explicativas:
(A) Choveu porque o vapor condensou.
(B) Choveu porque eu estou todo molhado.

Em (A), a segunda oração exprime causa. A oração subordinada indica a causa e a principal, consequência.
Em (B), o fato de “eu estar todo molhado”, não provocou a chuva, portanto não é a causa de “choveu”.

Outros exemplos:
(A) O dia amanheceu frio porque choveu na madrugada.       
(B) Deve ter chovido na madrugada, porque o dia amanheceu frio.

A oração subordinada adverbial causal pode ser colocada no início do período, introduzida pela conjunção como, o que não ocorre com a coordenada sindética explicativa:
Não vim à aula porque estava doente.
Como estava doente, não vim à aula.

ORAÇÕES SUBORDINADAS ADVERBIAIS CONCESSIVAS
Exprime um fato que, em princípio, poderia impedir a ocorrência do fato expresso na oração principal, mas no o impede.
Conjunções concessivas: embora, apesar de que, ainda que, se bem que, conquanto, por mais que, posto que, mesmo que, etc.
Exemplos:
Trabalhava muito, embora estivesse doente.
Apesar de terem treinado muito, não venceram a competição.

ORAÇÕES SUBORDINADAS ADVERBIAIS CONDICIONAIS
Apresenta uma condição imposta para que ocorra o fato expresso na oração principal.
Conjunções condicionais: se, desde que, contanto que, salvo se, a menos que, exceto se, etc. Exemplos:
Ele receberá o dinheiro desde que termine o trabalho.
Se ele terminar o trabalho, receberá o dinheiro.

ORAÇÕES SUBORDINADAS ADVERBIAIS FINAIS
Exprime a finalidade, o objetivo do fato contido na oração principal.
Conjunções finais: a fim de que, para que, que (= para que), porque (= para que), etc.
Exemplos:
Trouxe o sapato e o traje para que ele experimente.
Fiz tudo para que você voltasse.

ORAÇÕES SUBORDINADAS ADVERBIAIS TEMPORAIS
Localiza, no tempo, o momento de ocorrência do fato expresso pela oração principal.
Conjunções temporais: quando, sempre que, assim que, logo que, enquanto, depois que, até que, apenas, mal, que (=quando), etc.
Exemplos:
Sempre que você vem, ela prepara a casa.
Quando você voltar, estarei de braços abertos.

ORAÇÕES SUBORDINADAS ADVERBIAIS CONSECUTIVAS
Exprime a consequência de um fato que ocorre na oração principal.
Conjunções consecutivas: (tanto) que, (tão...) que, (tal...) que, (de tal forma) que, etc.
Exemplos:
Falou tanto que ficou sem voz.
Argumentou brilhantemente, de tal forma que não ficou ninguém sem ser convencido.

ORAÇÕES SUBORDINADAS ADVERBIAIS COMPARATIVAS
Estabelece uma comparação entre o fato expresso pela oração subordinada e o expresso pela oração principal. Uma das particularidades das adverbiais comparativas é a elipse do verbo.
Conjunções comparativas: tal, como, quanto, (mais...) do que, (menos...) do que, (tanto...) quanto, etc.
Exemplos:
Ele reagiu à ofensa como qualquer pessoa reagiria.
Ela andava leve como uma borboleta.

ORAÇÕES SUBORDINADAS ADVERBIAIS CONFORMATIVAS
Expressa conformidade ou algum tipo de acordo com a oração principal
Conjunções conformativas: como, conforme, segundo, etc.
Exemplos:
Os fiscais agiram com rigor, como determinou o prefeito.
Tomou a medicação conforme o prescrito.

ORAÇÕES SUBORDINADAS ADVERBIAIS PROPORCIONAIS
Estabelece uma relação de proporção (aumento ou diminuição equivalente) entre o fato expresso pela subordinada e o fato expresso pela principal.
Conjunções proporcionais: à proporção que, à medida que, ao passo que, quanto mais... tanto menos, quanto mais... (tanto menos), etc. As estruturas do tipo tanto mais... tanto menos são separadas nas orações: uma parte na principal, outra parte na subordinada.
Exemplos:
À proporção que o tempo passa, tudo vai voltando ao normal.
Quanto mais falava, mais se confundia.

Apesar de não previstas pela NGB (Nomenclatura Gramatical Brasileira), ainda podem ser observados mais dois tipos de orações subordinadas adverbiais:
Oração Subordinada Adverbial Modal:
É a oração subordinada que mostra o modo como se realiza o fato contido na oração principal.
Chegou em casa sem fazer nenhum barulho.
Assisti à aula sem que o professor percebesse.

Oração Subordinada Adverbial Locativa: estabelece o lugar no qual a ação da oração principal acontece:
Vamos procurá-lo onde ele costuma ir.
Trabalho melhor onde reina a paz.

Observação: Oração subordinada adverbial locativa (aquela que é iniciada pela palavra ONDE, desde que esse “onde” não possa ser substituído por “no qual”, “na qual”, etc.)
Exemplo:
Venho de um lugar ONDE todos trabalham duro.
No período acima, o “onde” pode ser substituído por “no qual”. Neste caso, esse “onde” funciona como pronome relativo, portanto a 2ª oração “ONDE todos trabalham duro” é uma oração subordinada adjetiva. 


EXERCÍCIOS


1)       Identifique e classifique as orações a seguir.
a)       Vamos acender a lareira, que a noite está muito fria.
b)       Como não conseguiu emprego, Eduardo voltou para sua cidade.
c)       Ela cantou porque ouviu sua banda favorita.
d)       Mesmo estando muito atarefado, ele foi ao passeio.
e)       Embora fosse domingo, ele trabalhou o dia todo.
f)        Embora a prova estivesse fácil, demorei bastante para terminar.
g)       Se você estivesse lá, nada disso teria acontecido.
h)       Caso você venha, deixarei a chave na portaria.
i)         Caso você não estude, ficará muito ansioso para a prova.
j)        Vigiai e orai, porque não entreis em tentação.
k)       O texto foi afixado no mural, afim de que os alunos o lessem.
l)         Não vou fechar os portões da biblioteca, para que você possa fazer sua pesquisa.
m)     Assim que mudar a estação, sairei de férias.
n)       Quando você voltar, estarei de braços abertos.
o)       Quando você voltar nós conversaremos com calma.
p)       A prova foi tão longa, que todos saíram exaustos da sala.
q)       Corri tanto que fiquei sem fôlego.
r)        Ela andava leve como uma borboleta.
s)        Ela era mais bonita do que a irmã.
t)        Você desenha tão bem quanto eu.
u)       Escreve tão bem quanto lê.
v)       Segundo fui informado, o show foi cancelado.
w)      Tudo será feito, conforme manda a lei.
x)       A redação deve ser redigida consoante a norma culta da língua portuguesa.
y)       Como eu havia te falado, a prova não estava fácil.
z)       A praça vai ficando vazia à proporção que escurece.
aa)   Quanto mais você fumar, mais grave ficará sua doença.
bb)   Encontrei Joana sentada na praça, pensando na vida.
cc)    Entre, sem fazer barulho.
dd)   Passou por aqui, sem que ninguém o visse.
ee)    A criança distraia-se com o desenho animado.
ff)     Eu vou aonde você quiser.
gg)    Eles só vão armar a barraca onde não haja poluição.
hh)   Onde formos comprar os anzóis, certamente também encontraremos as iscas para a pescaria.


Um comentário: